Terça-feira, 7 de Setembro de 2004

A minha namorada - confissão

Nada me corre bem. Tentei procurar o sentido do porquê de não ter sorte com as mulheres, o que me levou à 12ª tentativa de suicídio, desta vez não fiz por menos e vi a TVI durante 48 horas seguidas sem me mexer, mas só consegui ganhar urticária e um dedo do pé dormente.


Como é que algo que parecia correr tão bem pode acabar desta maneira abrupta, deste modo ocorreu-me ao pensamento a utilidade do micro-ondas numa tenda de campismo.


Será de mim? Perguntei a mim próprio.


- Será de mim?


- Acho que não, mas se for peço imensas desculpas pela inconveniência.


- És tu no fundo o culpado de nada me correr bem.


- Se for, mil perdões.


- Se não existisses nada disto me tinha acontecido.


- É triste, mas não há nada que eu possa fazer sem ser pedir desculpas por mil anos.


Vi logo que esta conversa comigo próprio não me ia levar a lado nenhum, já que dificilmente me consigo dar ouvidos. Além disso seria incapaz de me ofender, a não ser quando desejei que a senhora da limpeza das escadas se vestisse como a Pipi das Meias Altas.


A verdade é que não me sentia assim tão triste e deprimido desde que soube que o Paulo Portas e o Ministro da Defesa eram só uma e a mesma pessoa.


Serei eu amaldiçoado por um destino que me leva a ter de ficar sujeito a estar permanentemente sozinho? É um facto que não vou à igreja desde... a verdade é que nunca lá fui, será essa a razão do meu sofrer? Será por ter surripiado uns caramelos no consultório do pediatra? Será um sinal dos céus para deixar esta minha vida e abraçar o mundo eclesiástico? Será que tenho os níveis de açúcar muito baixos?


Só havia um sítio onde todas as minhas dúvidas podiam ser tiradas. Fui à igreja falar com o padre de serviço. Por alguns momentos ainda pensei ir ao confessionário mas a minha claustrofobia e a mania que as pessoas têm de lá estar sozinhas não me permitiu, por fim lá apanhei o padre e fui falar com ele.


- Senhor padre.


- Diz, meu filho.


- Eu precisava de falar consigo sobre um problema que me apoquenta.


- Agora as confissões já acabaram, agora é um bocadinho mais caro… estás a ver… horas extraordinárias.


- É preciso pagar?


- A vida custa a todos e não há milagres… percebeste a piada religiosa?


- Foi muito engraçada.


- Então conta-me lá o que te trás por cá.


- O que passa senhor Padre é que eu gostava de saber o que é preciso para entrar para padre, se é preciso alguns testes físicos ou umas provas específicas ou algo do género.


- Então queres ser padre? E desde quando sentiste o chamamento de Jesus?


- Bem… desde hoje de manhã, apesar de já ter sentido isso, só que me tinham dado uns rebuçados cor-de-rosa na discoteca, por isso acho que não valeu.


- Sabes que a vida de padre não é fácil… é uma vida de sacrifícios. É preciso estudar, estar disposto a abdicar de todos os bens terrenos para nos dedicarmos a servir Jesus, por isso não é para qualquer pessoa, principalmente é preciso vocação. Sentes essa vocação dentro de ti?


- Quer dizer… eu fiz uns testes vocacionais quando andava na escola secundária, mas acho que ainda hoje eles estão a tentar perceber para o é que eu tinha jeito, apesar de me terem dito meio envergonhados que eu dava um excelente cheque sem cobertura, o que ainda hoje não percebi.


- Pois… mas isso só não chega. Ser padre é uma coisa que se tem de ter a certeza que se quer ser para sempre, não pode ser apenas por possivelmente estares a passar por um momento difícil da tua vida. Além disso ganha-se pouco e o seguro dentário não é dos melhores.


- Mas acho que estou disposto a tentar… dá para me pôr à experiência? Assim a recibos verdes, depois se eu realmente não der para isso logo pensamos na minha indemnização compensatória.


- Mas não gostas de mulheres?


- É preciso ser gay para ser padre?


- Claro que não… apesar de haver aqui um sacristão todo jeitoso… bom… isso não interessa e já estava a divagar, mas se quiseres ser padre tens de afastar todos os desejos carnais, será que consegues? És capaz de abdicar dos prazeres da carne?


- Quer dizer… se for uma costeleta de novilho será difícil… mas percebo o que quer dizer, mas também existem as freiras que tenho a certeza que por baixo daquelas roupas deve haver umas bem giras, certo?


- Isso é nos filmes italianos, na realidade aquelas que conheço são um bocadinho para o feiote e além disso já estão casadas com Deus.


- Deus não é lá um tipo com muita sorte…


- Vai para casa, reflecte bem no assunto e se realmente achares que é isso que queres vem falar outra vez comigo mas desta vez no horário de expediente.


- Obrigado senhor padre, vou fazer o que me aconselha, obrigado.


- Vai com Deus e não te esqueças de pôr alguma coisa na caixa das esmolas e tem cuidado que ela só aceita notas senão sai um mata-moscas gigante e esborracha-te.


- Adeus senhor padre e saúdinha.

publicado por gifted_children às 23:21
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De Anónimo a 13 de Setembro de 2004 às 17:51
O K SENTES kuando...fazes isso..?
enTendeS? OU NAO?
SEI LA..MANDA-ME UM MAIL ,POD SER? CONTA-ME..SE DOI...OU SE DOI MAIS A ALMA K OS PULSOS...OU AS LAMINADAS NAS PERNAS E NOS BRAÇOS...OU A PONTES....ESSAS CENAS...FICO A ESPERA..SENTADA,CONFESSO..MAS FICO..XAUpRoStItUtEd-MoOn
</a>
(mailto:KAMELOT@PORTUGALMAIL.PT)


De Anónimo a 8 de Setembro de 2004 às 14:25
é muito divertido vir a este blog. Eu volto cá muitas vezes, sempre na esperança de que escrevas mais.Continua a divertir-te e a divertir-nos.black
</a>
(mailto:bela_back@hotmail.com)


De Anónimo a 8 de Setembro de 2004 às 02:43
eheheheh... fazes-me sempre rir imenso quando aqui venho. beijinhossonia
(http://horasnegras.blogspot.com)
(mailto:soniadealmeida@sapo.pt)


De Anónimo a 8 de Setembro de 2004 às 00:57
Uma vida de celibato... nao parece ser muito diferente da que ja tem!!! E sempre ganha a admiraçao de algumas beatas... e tem sempre as meninas da catequese!!!rafapaim
</a>
(mailto:filosofiabarata@sapo.pt)


Comentar post