Sábado, 9 de Abril de 2005

A minha namorada - espíritos

Desde que me tinha remetido para o Brasil, tinha passado estes últimos meses com muito alegria, muita cor e energias positivas. Falava com muitos brasileiros, ía para a praia, fui assaltado 3 vezes, sentia todo aquele caos urbanístico. Estava mesmo bem no Rio de Janeiro até que alguém me disse que estava na Costa da Caparica o que me deixou muito desgostoso.


Estava eu demasiado entretido a ouvir o meu novo rádio a pilhas quando de súbito parei na Rádio Miramar e ouvi algo me chamou a atenção. Quanto mais ouvia mais sabia que aquilo sim, era a resolução para todos os meus problemas. Um senhor brasileiro ouvia os problemas das pessoas e como estava tudo possuído por espíritos, ele amarrava-os e as pessoas ficavam logo boas, houve mesmo uma que estava com os pés gelados e ele amarrou os espíritos e logo lhe apareceu um felpudo cobertor a lhe aquecer. Ainda mais difícil foi uma senhora que tinha comichão na cabeça e ele amarrou o espírito e a senhora ficou logo com outra cabeça novinha em folha, outro senhor tinha a unha do dedo mindinho encravada e depois de amarrar o espírito o senhor apareceu com umas novas e umas belas patas de flamingo, o qual ele agradeceu imenso pois assim já podia chegar aos armários mais altos, o que nunca podia ter feito antes e agora pedia insistentemente que lhe arranjassem umas asas para poder viajar de borla.


Não hesitei mais e liguei para a Rádio, o qual fui atendido muito simpaticamente.


- Bom djia.


- Boa noite.


- É bom djia.


- Mas ainda é meia-noite e meia.


- Não importa, é mais um glorioso djia que começa, né?


- Pois, como quiser…


- Então me diga, qual é o seu probrema.


- Vim falar com o senhor e…


- Se veio falar com o Senhor, então está no lugar certo.


- Quer dizer… vim falar consigo.


- Falá cumigo é o memo que falar com o Senhor, mas eu sou apenas um Pastor, um mero servo de Deus que está aqui pará ajudá no que quisé.


- Muito obrigado, era mesmo isso que eu precisava, alguém que me pudesse escutar e ajudar.


- Então o seu probrema é espiritual, financeiro ou de saúdje.


- É de tudo um pouco, na verdade…


- Espere que já estou amarrrrrrrando o espírito que está possuindo você.


- Calma… eu ainda não contei o meu problema.


- Não faiz mal não, a cura é igual para tudo, é só amarrar o espírito e já está tudo resovido.


- Espere que eu não sei se quero que me amarre os espíritos, isso não é perigoso? Eles não ficam tristes por estarem assim todos amarradinhos.


- Não, eu amarro os espíritos e eles passam o tempo jogando cartas e preenchendo bilhetes pró euromilhões, não precisa preocupá essa sua cabecinha não.


- Sendo assim acho que pode amarrar os meus espíritos.


- Então aqui vai… estou amarrrrrrrando os seus espíritos, mas não está sendo fácil não.


- heheheehe, desculpe Pastor, mas há aqui um pelo qual tenho um especial carinho pois costuma escovar-me os dentes e comprar os cotonetes.


- Vai te de liberar esses espíritos malignos. Vai, deixa ele vir prá mim.


- Para si é fácil falar que está aí desse lado, se visse a carinha triste que ele está a fazer…


- Pô rapaz… larga logo o espírito que tem mais gente esperando.


- Está bem, mas depois quero-o de volta e aproveite e engome-lhe a camisa.


- Já estou amarrando tudo, já agora tem aquela água que nós demos na nossa igreja.


- Não, mas não precisa de se preocupar, não tenho muita sede.


- Isso é água benta que vai purificar a sua casa e o seu expírito.


- Não, mas tenho aqui uma aguinha das pedras, é que por vezes tenho uma digestão difícil.


- Tem digéstão difícil, porque é que não disse logo, vou amarrar esse espírito tamém.


- Poça, isso é que é eficácia.


- Pois é cara, tem de ser, tem muita gente com probremas e a gente tem de rápido senão eles vão pra outro lado, né, como procurar ajuda em psiquiatra e nós não que isso não, nós resovemos tudinho. Agora não esqueça de vir na nossa igreja para receber a bênção e deixar a sua contribuiçãozinha que isto de milagre é meio difícil.


- Pode deixar que eu vou. Já agora servem comida?


- Claro, tem sempre um croquetinho, um brigadeiro, e uma caipirinha conforme se você for cliente, desculpe, paciente classic ou gold.


- Então vou estar aí.


- Agora diga Amem, Graças a Deus.


- Amem, Graças a Deus

publicado por gifted_children às 14:11
link do post | comentar | favorito
|
5 comentários:
De Anónimo a 19 de Abril de 2005 às 16:30
Gifted_Children, não vai nessa não!!!!!!elisa
(http://silenciofala.blogspot.com)
(mailto:elisaantunes@iol.pt)


De Anónimo a 15 de Abril de 2005 às 10:04
ADORO este BLOG!!! pena que seja mensal! :(

As peripécias desses senhores, fazem lembrar-me das já míticas histórias do Harry Potter!!! tudo aparece e desaparece com um simples toque... até o dinheiro .P Hell0Kitty
(http://hell0kitty.blogs.sapo.pt)
(mailto:Hell0kitty@sapo.pt)


De Anónimo a 12 de Abril de 2005 às 10:36
Prá pegá muié umacumba num chega não. Tem qui sê duais cumba, né?grinch
</a>
(mailto:grinch@grinch.com)


De Anónimo a 10 de Abril de 2005 às 17:34
ja agora tinha pedido uma macumba para pegar mulher!!!rafapaim
</a>
(mailto:filosofiabarata@sapo.pt)


De Anónimo a 9 de Abril de 2005 às 23:28
:p a costa da caparica nem é assim tao mal ... mas que os brasukas andam ai ... ai isso andam :)Patricia
(http://chamomepatricia.blogs.sapo.pt)
(mailto:noratla@[at]sapo.pt)


Comentar post