Segunda-feira, 7 de Junho de 2004

A minha namorada - a visita

Estava eu entretido a tentar descobrir as diferenças entre aquela senhora que não tinha e depois lhe deram 3000 euros que mal ouvi a campainha da porta a tocar. Claro que fiquei extremamente aborrecido por me terem interrompido num momento em que quase estava a descobrir a primeira, e só a muito custo me levantei do chão e fui abrir a porta. Para minha surpresa era o Quim, desafortunadamente e sem perceber porquê estava vestido de esquimó.


Sendo eu uma pessoa de esmerada educação convidei a figura a entrar apesar de me apetecer morder-lhe a orelha esquerda.


- Olá amigo, fico tão feliz por te ver.


Notei-lhe uma certa tristeza no olhar e tenho a certeza que tinha estado a chorar por isso fui complacente e simpático para com ele.


- Eu também fico feliz quando te vejo… queres umas sardinhas de lata com tomate e picante? Acabei de abrir agora. São muito nutritivas.


- Não obrigado, já tomei o pequeno-almoço.


- Porque raio estás vestido de esquimó?


- Quem eu?! Ah, Esta noite vim de um baile de máscaras e ofereciam um aperitivo grátis a quem trouxesse a fatiota mais idiota… acho que me afeiçoei ao peixe morto.


- Pois, já me tinha cheirado a qualquer coisa, mas pensava que era eu, mas o que é que te traz por aqui?


- Sabes… sinto que és a única pessoa com quem posso conversar, pois temos uma coisa em comum.


- Também gostas de tomar banho em caldo de carne?


- Não. Ambos gostamos da mesma pessoa.


- Quer dizer que estás apaixonado por mim? Desculpa estava a brincar a ver se te levanto o moral… pareces-me bastante em baixo.


- E estou mesmo, eu sei que ela já te contou o que se passou entre nós, mas eu acho que ela ainda gosta de ti. E não consigo viver assim, ter uma pessoa que está comigo e a pensar noutra.


- Não te preocupes que isso passa, a mim acontece-me a toda a hora, estou com uma e já estou a pensar na próxima, chama-se a isto processo antecipatório de natureza masculina.


- Mas ela é mulher.


- E não é que é mesmo…e que mulher, mas porque achas que ela ainda pensa em mim?


- Talvez por a ver chorar com a tua fotografia, talvez por na cama chamar o teu nome, talvez por me ter feito o teu penteado.


- Mas tu és careca.


- Então já podes imaginar a dificuldade que tive.


- Pois


- Tu sabes que eu sempre gostei dela e sempre achei que tu foste uma merda de namorado e que nunca a trataste como ela merecia, no fundo foste um burro, estúpido, arrogante, ignorante, grosseiro, vaidoso, rude, egoísta…


- Ei, vieste para me pedir ajuda ou fazer a definição da minha pessoa?!


- Desculpa, já estava tão bem lançado…


- Está bem, mas que posso fazer para te ajudar?


- Não sei… a própria ideia de pedir ajuda pressupõe que não sei o que fazer. Acho que no fundo queria apenas uma prova em como ela gosta verdadeiramente de mim e que não anda comigo para te esquecer.


- Acredita-me, eu conheço-te, ninguém andaria contigo para esquecer o que quer que fosse, a não ser para perder amor-próprio e personalidade.


- Achas mesmo?


- Tenho a certeza… confia em mim. Sabes amigo…eu tenho este efeito sobre as mulheres, elas têm sempre dificuldade em me esquecer pois faço sempre qualquer coisa de inesquecível.


- E o que fizeste para que a marcasses assim tanto?


- Não sei, mas vou pensar e prometo-te que quando souber serás o primeiro a saber.


- De facto és um amigão, obrigado, foste uma grande ajuda, tinha medo que não me quisesses ver, que estivesses magoado comigo, mas já estou mais animado, vou já correr para ela e dar-lhe todo o meu amor e o peixe, que apesar de já estar mais seco que uma pevide ela vai adorar. Obrigado.


- Sim, faz isso, vai pela sombra que com esse fato ainda desmaias com o calor.


- Adeus… não achas que faço figura de parvo com este fato, pois não?


- De todo, estás lindo…


É preciso ter lata, rouba-me a namorada e ainda quer conselhos… bom, vou ver mas é o que é que a senhora dos 3000 euros comprou.

publicado por gifted_children às 20:57
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De Anónimo a 11 de Junho de 2004 às 16:07
linkei-te. Mafphera
(http://phera.blogs.sapo.pt/)
(mailto:m.venan@sapo.pt)


De Anónimo a 8 de Junho de 2004 às 16:37
E agora como vai ser o próximo capítulo? BjinhosFormiguinha
(http://formiguinha.blogs.sapo.pt/)
(mailto:blog_formiguinha@sapo.pt)


De Anónimo a 7 de Junho de 2004 às 23:52
O primeiro amor sempre acaba mas nunca passa... novamente se aplica aqui!!!rafapaim
</a>
(mailto:filosofiabarata@sapo.pt)


De Anónimo a 7 de Junho de 2004 às 23:30
Como não gosto de me repetir e dizer que adorei, o q comentar desta vez? Hum... dilemas, dilemas... Bem, genial, como sempre. Beijossefaxavor
(http://tragameossais.blogs.sapo.pt)
(mailto:sefaxavor@sapo.pt)


Comentar post